encontrei Jesus
que me disse “levanta-te e caminha”
mas eu já estava em pé e disse-lhe isso
“então caminha” respondeu-me
“onde vamos Jesus?”
“vamos jantar”
“se fazes jus?”
“claro” disse Jesus

“Jesus?”
“diz”
“quantos anos tens?”
“trinta e três”
“feitos?”
“sim”
“Jesus”
“diz”
“não me apetece cuscuz”
“podes parar de fazer essas rimas estúpidas com o meu nome”
“desculpa”
“não te apetece jantar?”
“não me apetece jantar com os teus amigos”
“olha que somos só eu e tu”
“ah, os teus amigos não vêm?”
“não”

fomos a uma taverna que ele conhecia
eu pedi uma costeleta à milanesa com batatas fritas
Jesus esparguete sem cuscuz
um litro de vinho tinto da casa
montes de pão

enquanto comia observava-o
“imaginava-te mais alto” disse-lhe
“falou Karim Abdul Jabbar” disse-me
“viste o filme em que Bruce Lee lutava com Karim, Jesus?”
“não”

“Jesus?”
“diz”
“consegues ressuscitar os mortos?”
“em coma”
“como?”
“é uma técnica”
“em que sentido?”
“havia um tipo que estava em coma e eu acordei-o, com uma técnica”
“Lázaro?”
“sim”
“e como é essa técnica?”
“bofetadas”

“Jesus”
“diz”
“sabes caminhar sobre as águas?”
“não”
“multiplicar os pães?”
“não”

“os peixes?”
“não”
“voar?”
“não”
“teletransporte?”
“não”
“regeneração de feridas?”
“não”
“invisibilidade?”
“não”
“bolas de fogo?”
“não”
“hipervelocidade?”
“não”
“leitura do pensamento?”
“não”
“telecinética?”
“não”
“força excepcional?”
“não”
“controlo da meteorologia”
“não”

“café?”
“sim”

bebemos o nosso café
eu também um San Simone
Jesus um aguardente

“fumas?”

“obrigado”

ofereci-lhe um cigarro
viemos para a rua fumar
ele observava os carros a passar e estava calado
parecia triste

“estás triste?”
“melancólico, diria”
“alguma mulher?”

“não”
“não estás contente que a primavera esteja a chegar, Jesus?”
“quer-me parecer que não aproveitarei muito a primavera este ano”

“achas?”
“acho”
“lamento”
“também eu”

“não há mesmo nada que se possa fazer?”
“receio que não”
“quando é que é?”

“depois de amanhã”
“porque é que não vais embora?”
“para onde queres que eu vá?”

“para a Escócia”
“para a Escócia?”
“sim, como que diz… para longe”
“não tenho um tostão e depois não se pode”
“não se pode”
“não”

depois falámos ainda um pouco
ele contou-me
eu escutei
fomos embora sem pagar
no cruzamento ele disse-me “vou para lá”
eu disse-lhe “eu para lá”

os nossos para lá não eram os mesmos

(traduzione de “la terzultima cena” in portoghese di Antònio Fournier)